Resenha #04: O Oceano no Fim do Caminho - Neil Gaiman






FICHA TÉCNICA

Autor: Neil Gaiman
Título: O Oceano no Fim do Caminho
Local de Publicação: Rio de Janeiro, 2013
Editora: Intrínseca
Nº páginas: 202
Gênero: Ficção Britânica

SINOPSE: 

"Foi há quarenta anos, agora ele lembra muito bem. Quando os tempos ficaram difíceis e os pais decidiram que o quarto do alto da escada, que antes era dele, passaria a receber hóspedes. Ele só tinha sete anos. Um dos inquilinos foi o minerador de opala. O homem que certa noite roubou o carro da família e, ali dentro, parado num caminho deserto, cometeu suicídio. O homem cujo ato desesperado despertou forças que jamais deveriam ter sido perturbadas. Forças que não são deste mundo. Um horror primordial, sem controle, que foi libertado e passou a tomar os sonhos e a realidade das pessoas, inclusive os do menino. Ele sabia que os adultos não conseguiriam — e não deveriam — compreender os eventos que se desdobravam tão perto de casa. Sua família, ingenuamente envolvida e usada na batalha, estava em perigo, e somente o menino era capaz de perceber isso. A responsabilidade inescapável de defender seus entes queridos fez com que ele recorresse à única salvação possível: as três mulheres que moravam no fim do caminho. O lugar onde ele viu seu primeiro oceano."

Uma história só é relevante, suponho, na medida em que as pessoas na história mudam. Mas eu tinha sete anos quando todas as coisas aconteceram, e no fim de tudo era a mesma pessoa que era no início, não era? Todos os outros também. Deviam ser. As pessoas não mudam. Mas algumas coisas mudaram...

CRÍTICA:

Ler esse livro sem me transportar para a infância novamente foi impossível! O personagem, que não tem nome, tem por volta de seus 40 anos está em um velório de algum familiar que não sabemos também quem são ou quem é. Tudo leva a crer que possa ser sua esposa e filhos. Mas na história nada fica claro. Apenas retrata uma perda muito difícil para ele.





Para sair desse clima tão pesado, ele decide pegar o carro e dar uma volta pela redondeza. E nessa "rota de fuga" ele se depara com a rua em que morava quando era criança. A casa já não existe mais. Mas lembra-se que no final da estrada morava sua amiga Lettie Hampstock com sua mãe e avó, então decide ir até lá para fazer uma visita. 
Levado pela curiosidade e sensação de nostalgia que lugares assim proporcionam, ele conseguia se recordar com perfeição da casa, da floresta e do lago.

Ao chegar na casa só encontra a mãe de Lettie, Ginnie Hampstock, que fica surpresa ao vê-lo novamente depois de tanto tempo. Ele então pergunta se pode ir para o quintal sentar-se no banco de frente para um lago da fazenda, que Lettie o havia convencido ser um oceano. A partir daí ele começa a narrar uma história de quando ele tinha 7 anos e conheceu sua amiga que tinha 10 anos. Tudo vai mudar a partir do momento em que aquele homem estranho aparece morto dentro do Opala de seu pai. E quando ele percebe o mal terrível que vai ter de enfrentar.
As histórias para adultos nunca faziam sentido, e a ação nelas demorava muito a acontecer. (...) Por que os adultos não queriam ler sobre Nárnia, ilhas misteriosas, contrabandistas e fadas traiçoeiras?
O personagem é uma criança que ama ler e vê nos livros seus melhores amigos e justamente nessa fase sabemos o quanto é fértil a mente de uma pessoa. 
A viagem no tempo que ele nos proporciona cheio de elementos místicos e referências bem subjetivas às lendas e mitologias, num primeiro momento nos faz pensar: "OK, isso é imaginação dele, esse menino tímido que lê demais e tem uma mente afiada". Mas como eu não conhecia Neil Gaiman ainda, não sabia da sagacidade de escrita e eis que você realmente entra na história e passa a acreditar em tudo o que está lendo, se envolvendo completamente.

Adultos seguem caminhos. Crianças exploram. Os adultos ficam satisfeitos em seguir o mesmo trajeto centenas de vezes, ou milhares.


VEREDITO: 

Perdas, sacrifícios, escolhas, problemas de família e amizade na infância que fazem os amigos se separarem são os temas centrais desse livro. Mas  quando encarados por uma criança de 7 anos não há limite entre o real e o possível!
Terminei a leitura com uma mescla tão grande de emoções e sentimentos. Nostalgia é o principal deles.
Com certeza Gaiman conseguiu mostrar o quanto a infância é importante e transformadora para a vida e pode nos deixar marcas eternas. Algumas pessoas me disseram não entender nada da história, mas você já ouviu falar na expressão "só se vê bem com o coração"? Esse é um livro para sentir, deixar-se levar, imaginar o quão incrível uma história chata e triste pode se tornar se dermos chance para a imaginação.




Leitura  mais que recomendada.
Nota: 5 / 5



4 comentários:

  1. Olá Mi, tudo bom?
    Minha primeira experiência com o autor também foi com esse livro. Fiquei impressionado com a escrita do autor, ele tem uma sagacidade única. Ótima resenha, lindo blog! Beijos...

    www.blogleituravirtual.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sério? Estreamos com uma obra maravilhosa, mesmo! Quer, dizer, todas as obras dele devem ser incríveis! Obrigada pelo carinho! Beijo!

      Excluir
  2. Oi!

    Tô com esse livro na pilha de livros por ler! Pelo que você conta me parece denso e escuro como as águas profundas do oceano. Vamos ver o que vou achar dessa leitura...

    Abraço.
    mognoazul.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você vai se encantar, João! Esse é aquele livro que você aos poucos se entrega na história e Gaiman sabe fazer isso melhor do que ninguém. Beijos!

      Excluir

por Milene Farias desde 2016. Tecnologia do Blogger.