Resenha #14: Sobre a Escrita - Stephen King

Título: Sobre a Escrita
Autor: Stephen King
Editora: Suma das Letras
Ano:  2015
Páginas: 254




Sobre a Escrita foi considerado um dos 100 melhores livros de não ficção de todos o tempos. Foi, também, vencedor do prêmio Bran Stocker e Locus, na categoria não ficção.
Este livro é uma autobiografia espetacular do King e também a melhor aula sobre a arte de escrever.

Quatro histórias. Vinte e cinco centavos por cada. Foi o primeiro tostão que ganhei neste negócio.

Stephen é um dos maiores escritores da atualidade. Sua vasta obra o consagraram como o  "Mestre do Terror".  Mas para quem não é acostumado ou não gosta desse gênero, pode pensar num primeiro momento: "será que eu devo ler esse livro?"' A resposta é um retumbante SIM! LEIA! Com desconfiança e muito cuidado eu peguei esse livro e após cada página eu me perguntava "porque até hoje eu não tinha lido isso?"

O mais incrível é que ele se tornou um dos mais traumáticos e transformadores livros da carreira do  King. Durante o processo de criação desse manuscrito ele sofreu um terrível acidente que achou que jamais retomaria a escrever novamente. Ele foi atropelado por um furgão azul no verão de 1999 e sua recuperação foi lenta, dolorosa e dilacerava as esperanças dele de terminar "Sobre a Escrita". Mas a capacidade de superação dele, somado aos esforços de Tabhy, sua esposa, conseguiram fazer com que ele retomasse a escrita e finalizasse essa obra incrível!

A primeira sessão de escrita durou uma hora e quarenta minutos, de longe o maior período que eu passei sentado desde o dia em que fora atropelado pelo furgão de Smith.

O livro é separado em três partes e mais um postscriptum que ele fez durante sua recuperação, parte do trecho acima.




A primeira parte do livro ele define como "Currículo". É onde conta o que o fez se tornar escritor, suas motivações, sua infância, as histórias de escola, seus primeiros contos, as tentativas de publicá-los em revistas e tudo isso é muito, mas muito divertido! 
Um humor até que as pessoas não esperariam ver no "mestre do terror"

Fiz o que tinha que fazer e me limpei do jeito que meu irmão havia sugerido, passando cuidadosamente vários punhados de folha verdes e brilhantes na bunda. O problema é que as folhas eram de urtiga.

Durante várias partes desse currículo você dá gargalhadas com as aventuras do Steve. Ele escreve tudo de uma forma tão  divertida e irônica que não tem como você parar a leitura para rir um pouco.
E é também nessa parte da história que ele fala sobre o problema que teve com o álcool e sobre os primeiros livros dele. 

Toda a inspiração e o processo de escrita deles trazem o super escritor para mais perto da gente quando percebemos que qualquer ideia pode ser a versão de um livro desde de que você saiba usar sua caixa de ferramentas.

E é essa, a segunda parte do livro.

Gostaria de sugerir que, para escrever com o máximo de suas habilidades, convém construir sua própria caixa de ferramentas e depois trabalhar a musculatura para carregá-la com você.
Ele faz uma analogia com a caixa de ferramentas de um carpinteiro, por exemplo. E diz que sua caixa tem que conter pelo menos 3 bandejas principais.

1ª Vocabulário e gramática;
2ª Estilo - que é como você constrói seus parágrafos, diálogos etc.
3ª  Escrever de verdade - coloca em prática tudo o que aprendeu nas duas bandejas anteriores.




A terceira parte do livro é, talvez, a mais importante para quem quer ser um escritor ou apenas para quem trabalha com criação e textos.

Se você quer ser escritor, existem duas coisas a fazer, acima de todas as outras: ler e escrever muito. Que eu saiba não há como fugir dessas duas coisas. Não há atalho.

É aqui que Stephen junta o currículo dele - a parte de como ele se tornou um escritor e como escreveu seus livros baseados na experiência -  com as técnicas e respostas às perguntas que ele mais ouve sobre a arte da escrita.

Ele vai realmente contar como foi o processo de criação dos livros, de uma maneira mais técnica mas super fácil de compreender. Ele traz análises dos personagens dele, como construiu os parágrafos e diálogos e como escolhia um final para suas histórias. King partilha toda a sua história de vida e o que é fundamental para que um escritor iniciante saiba fazer ao criar um bom livro.

Sugiro mil palavras por dia e, como estou me sentindo magnânimo, também sugiro que você tire um dia de folga por semana, pelo menos no início.

Como tinha citado no início dessa resenha. As últimas partes do livro registram seu acidente e a dura recuperação, mas também traz um registro do primeiro manuscrito de "1408" e os ajustes que foram feitos para ter a segunda versão.  É incrível! Vale muito a pena conferir.




E para fechar com chave de ouro, ele traz duas listas recheadas de indicações de leituras que ele considera super importantes e que podem te ensinar muita coisa.

É um livro grandioso! Eu fui lendo ele ao longo de 3 meses, intercalando com outras leituras. E eu recomendo demais! Se você nunca leu King por medo, pode ir bem tranquilo e se você já é fã dos livros dele vai gostar ainda mais de se sentir perto do escritor criando esses livros que tanto te fizeram se envolver com as histórias.




Espero que tenham gostado da resenha e deixem nos comentários suas impressões.

Beijos e até a próxima!

4 comentários:

  1. Adorei o post, estou doida para conhecer esse autor e suas obras e acho que irei amar, so que alguns tenho que criar coragem se for o de terror kkkkkk.

    Um beijo.

    https://sussurrandosonhos.blogspot.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que gostou!Eu penso da mesma forma que você. Vou ter que criar coragem. Só li até hoje "Carrie: A Estranha" e gostei muito. Mas não sei se consigo encarar os outros hahaha apesar de saber que ele escreve muito bem.
      Beijos! <3

      Excluir
  2. Amei sua resenha! Já li os dois primeiros livros da triologia Mr.mercedes e já sei da aonde a inspiração pro acidente no livro haha ele é cheio de referências! Quero muito lê os livros de terror dele,estou tomando coragem kkk bjos 😘
    aleituramagica.wordpress.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Ilane! Sim, ele fala exatamente onde estava e de onde surgem as inspirações. Qualquer coisa vira ideia para uma história. Ele é incrível, mesmo! Beijo

      Excluir

por Milene Farias desde 2016. Tecnologia do Blogger.