Resenha #15: Razão e Sensibilidade - Jane Austen

Título: Razão e Sensibilidade
Autora: Jane Austen
Editora: Martin Claret
Ano:  2015
Páginas: 233






As habilidades de Marianne eram, em muitos aspectos, bastante semelhante às de Elinor. Era sensível e inteligente, mas intensa em tudo: suas angústias, suas alegrias não tinham limites. Era generosa, agradável, interessante: era tudo, menos prudente.

Ao longo de sua vida como escritora, Jane Austen finalizou 6 romances, dentre eles "Razão e Sensibilidade" que foi o primeiro. E é desse triste e quase não-romântico livro que vamos falar hoje.

Razão e Sensibilidade é um livro que caracteriza suas duas personagens principais: as irmãs Dashwood, Marianne e Elinor. Mas antes de falar sobre a história em si, é importante entender o contexto da época em que ele foi escrito e que também se passa.




Estamos falando de uma sociedade europeia de 200 anos atrás. 
Lá no século XVIII, em regiões do interior da Inglaterra também é onde a Jane nasceu e cresceu e que decidiu que esse seria o espaço-tempo de suas heroínas.
Naquela época as mulheres não tinham direito algum sobre a propriedade, ou seja, ela precisava se casar - e casar bem - para que seu marido recebesse as terras e herança do pai, porque ela não poderia herdar nada. Por esse motivo, o casamento era um pré-requisito para ser bem sucedido na vida. Um negócio dos mais importantes de todos. E isso valia para mulheres e homens também. 
A intenção era se casar com alguém que tivesse muitas posses, para aumentar a renda do casal. 
Então, se você quisesse se casar por amor, que se apaixonasse por alguém rico e que esse alguém também correspondesse. Do contrário, não importa o afeto no casamento e sim se foi um bom negócio.

E aí, ainda acha que a época o que imperava era o romantismo?


Voltando à história... aqui vamos conhecer a família Dashwood e o maior registro de John´s por metro quadrado!

Tudo começa quando John Dashwood (o pai) está velho e doente, e antes de morrer deixa seu filho, John Dashwood (o filho) como responsável pela mulher e pelas meias irmãs - fruto do atual casamento.

A senhora John Dashwood (a mãe) já sabe que depois da morte do marido vai ter que se mudar com suas belas filhas, Elinor, a mais velha, Marianne e Margaret, pois sua nora é uma chata de galocha, daquelas pessoas que demonstram que não gostam de você bem na sua cara e deixam claro que querem sempre tirar vantagem de qualquer situação. 

Fanny Ferrars (a nova senhora John Dashwood, porque é casada agora com o dono da propriedade) é sua nora querida que tem dois irmãos, Edward o mais velho e Robert o mais novo. Sua família é riquíssima! - John (o filho) fez um excelente negócio!



A família Dashwood mora numa região chamada Norland. E bem no comecinho da história elas se mudam para um lugar bem longe dali chamado Devonshire, mais especificamente no Chalé Barton, propriedade de um primo da Sra Dashwood, John - outro John - esse é o John Middleton dono de Barton Park e do Chalé que aluga para as mulheres morarem.

Mas, se os livros da Jane são romance, onde é que ele se encaixa nessa história?
Vamos ler, ao longo de 200 páginas, a saga das duas irmãs e suas paixões e desilusões. 

Marianne conhece ali em Devonshire, um cara chamado, adivinhem? 
Isso, mesmo! John! Acho que a Jane não tinha muita criatividade para nomes masculinos nessa história, em compensação tem trocentas personagens femininas e nenhuma repete o nome, mas voltando ao assunto.... ela conhece John Willoughby - chamado ao longo da história pelo sobrenome - e se apaixona perdidamente. 
Já Elinor se apaixonou por Edward Ferrars, sim o irmão da cobra da cunhada dela. E ele, ao que tudo indica, também era apaixonado por ela., por isso Fanny a detestava e as queria longe dali.


 sense and sensibility GIF

Então aqui temos dois tipos de casais: Marianne e Willoughby que caracterizam aquela paixão de início de namoro, que o mundo tem que saber que eles se amam. Não pensam nas consequências de nada e acham que a vida é fácil pois só se precisa de amor para viver.
Já Elinor e Edward caracterizam aquele casal que se ama mas nenhum deixa claro pro outro e pro resto do mundo. Eles se admiram, suspiram um pelo outro e quando estão juntos tem medo de chegar mais perto. E Marianne não aceita isso. Acha que ele precisa demonstrar os sentimentos e sua irmã também.

A razão é Elinor. Ela é aquele tipo de pessoa que o mundo está desabando ao seu redor, está morrendo por dentro por alguma decepção, mas mantém a voz firme e o controle emocional. (Elinor, eu te amo!)
 sense and sensibility GIF
E Marianne é a sensibilidade em pessoa. Fala antes de pensar. Demonstra claramente quando não gosta de alguma situação ou de alguma pessoa e não mede as consequências de suas ações. (Marianne, calma, aí, jovem rebelde)
 sense and sensibility GIF


Marianne, aquele furacão de sentimentos vai amadurecer tão amargamente que dá até um dó dela no fim das contas. É mais uma menina sonhadora que tem o coração quebrado e percebe que precisa mudar seu comportamento para que isso não aconteça mais.

Como eu tinha dito que era um livro triste, o romance arrebatador de Marianne não vai acabar tão bem. Já para Elinor acontecem umas reviravoltas tão grandes que ficamos feliz por ela mas bem no finalzinho da história.


 sense and sensibility GIF

A lição que Jane queria passar com essas duas irmãs é que apesar de acreditar  no amor precisamos ser prudentes e agir com a razão. E mesmo quando acontecem as coisas mais tristes e dolorosas na vida, devemos manter a cabeça no lugar para não trazer consequências ruins para a vida daqueles que amamos.

OUTROS PERSONAGENS:

Coronel Brandon: eu tinha que falar sobre ele! Um cara com mais de 30 anos que é visto como um solteirão carente. Mas que demonstra ter um caráter impecável e ele acaba se apaixonando pela Marianne, que claro, o despreza, por ele ser velho. Vale lembrar que ela tem apenas 17 anos e um casamento entre eles dois é visto como algo muito bom já que ela é bela e ele, rico. Exatamente isso!
No filme ele é interpretado pelo Alan Rickman, o Severo Snape de Harry Potter! Eu, particularmente gosto muito desse personagem.

 alan rickman sense and sensibility rip alan rickman Colonel Brandon GIF
Lucy Steele: a falsiane da história. Não tem como falar muito dela para não dar nenhum spoiler. Mas ô mulherzinha insolente, viu?

Sra Jennings: a tia chata que sempre pede dos namoradinho. Ela é uma mulher que ficou viúva há algum tempo e administra toda a fortuna deixada pelo marido. Já casou as duas filhas e agora o que ela faz no tempo livre é saber tudo o que acontece na vida dos outros e formar novos casais.

Sr. Palmer: a ironia em pessoa. Ele é casado com a filha mais nova da senhora Jennings e demonstra sempre com um péssimo humor o quanto é feliz em seu casamento. Mas é um personagem muito engraçado no fim das contas e que no cinema foi intepretado pelo nosso querido Dr. House - Hugh Laurie.
 sense and sensibility GIF

Os demais personagens não tem muito destaque na história e acho importante prestar atenção apenas nesses que eu citei.

O filme de 1995 estrelado pela Kate Winslet como Marianne é maravilhoso! Extremamente fiel à obra e acho até que é a cereja no bolo para compreender a história, já que ela é mais condensada e tem poucos personagens. Super indico assistir esse filme!


SOBRE A LEITURA:

É uma leitura densa.  O vocabulário é de séculos atrás e estamos falando de uma escritora que dominava muito a escrita. Então você precisa de concentração e estar dentro da história o que, num primeiro momento, parece ser difícil, já que ela vai trabalhar sua história com costumes e pensamentos lá do século 18 mas não é tão complicado de acompanhar.

A construção das frases é surreal! Não tem como não admirar o estilo de escrita dela.
Se vale a pena ler Jane?
Vá agora e já comece ;)





Um comentário:

  1. Quero muito lê esse livro! Essa edição tá maravilhosa e essa capa? Linda! Amei sua resenha bjosss haja as fotos estão bem fofinhas tbm rs
    aleituramagica.wordpress.com

    ResponderExcluir

por Milene Farias desde 2016. Tecnologia do Blogger.