Como nos tornamos leitoras e a importância da família nesse processo.

21:43:00
Uma pesquisa realizada pelo IBOPE no ano passado (2016) chamada "Retratos da Leitura no Brasil" mostrou que o país tem cerca de 104,7 milhões de leitores, ou seja, 56% da população. Esse estudo ainda registrou que o brasileiro lê em média 2,54 livros por ano.


E numa conversa entre eu e as colunistas do blog surgiram depoimentos emocionantes sobre nossas primeiras memórias como leitoras. Quem lia para a gente quando éramos crianças? Qual foi a participação ou influência de nossos familiares nesse processo? E quais são as maiores dificuldades enfrentadas por nós, enquanto leitoras hoje em dia?



Confere nossos depoimentos:

MILENE

"Lembro vagamente que comecei a ler aos 6 anos com ajuda da minha irmã.  Não me recordo, exatamente, qual foi o primeiro livro que li, mas me lembro muito bem que a "Turma da Mônica" era a minha paixão (ainda é, mas não tenho lido nada dela ultimamente) então é bem provável que o primeiro livro lido pela "Mileninha" com 6 ou 7 anos foi um Gibi do nosso querido Maurício de Souza.
Imagem de Gibis retirados da Internet - não encontrei nenhum Gibi em casa :(

O meu pai foi o grande influenciador e maior inspiração para minhas leituras. Ele é semi analfabeto, portanto, ler e escrever é um desafio enorme. Mas lembro que ele assinava um jornal local e estava sempre lendo, apesar da sua dificuldade. Eu devia ter mais ou menos 11 anos nessa época e isso me inspirava muito. 

A importância do meu pai nesse processo foi fundamental. Mas também foi na escola que, com a ajuda de algumas professoras me apaixonei mais ainda pela literatura. Os debates literários e os trabalhos do semestre feitos com alguns livros me auxiliaram até hoje quando leio um livro e vou fazer uma resenha.

E o maior desafio enquanto leitora, acredito que é a minha responsabilidade em tentar transformar a leitura num hábito para um número cada vez maior de pessoas.  Meu compromisso com os leitores que acompanham o blog é enorme, desafiador e apaixonante. Acho que estou pronta para encarar esses desafios e cada dia que uma pessoa vem falar que está lendo um livro que eu indiquei ou que simplesmente começou a ler novamente por eu ter inspirado ela,  já é uma vitória gigantesca!"

CLARA 

"Eu tive dificuldade para aprender a ler, e quando meu pai viu que a escola não me ajudava em nada ele mesmo me ensinou e me mudou de escola. E foi aos 6 anos que aprendi com ele a ler.

Antes de aprender a ler, eu gostava dos livros em quadrinhos de super herois que tinham som na lateral, então sempre foi algo que me chamou a atenção.
Desde muito pequena meu pai lia para mim antes de dormir e de acordo com minha idade os livros foram ficando cada vez mais grossos e interessantes. Ele comprou Harry Potter e lia  1 capítulo por dia para mim. Quando ele terminou o segundo livro da saga eu já tinha aprendido a ler e então ele me fazia ler para ele o resto da saga antes de dormirmos para que eu praticasse.


FOTO DA CLARA - Uma amostra da coleção do Harry Potter que ela tem.

Sei o quão clichê é falar que a leitura é o passaporte para outros mundos, mas é realmente isso que ela significa para mim. Quando eu leio saio da minha realidade e vivo outras histórias.

Acredito que o maior desafio para os leitores hoje em dia é a falta de tempo, pois vivemos em um mundo que gira em torno do dinheiro e "tempo é dinheiro", então a sociedade considera essas horas que passamos lendo, um desperdício de tempo e  consequentemente de dinheiro, porque acreditam que nós deveríamos estar fazendo algo que nos ajudasse em nossa vida profissional e nada mais."

NATALHA:

"Aprendi a ler aos 6 anos de idade, na escola, com uma professora maravilhosa que nos incentivava e estimulava acerca da leitura e sua importância na formação acadêmica. Mesmo sendo tão menina já entendia o quão maravilhoso é esse mundo da leitura.

No âmbito familiar eu era, e ainda sou, incentivada  a ler textos da escritura sagrada, o que, naquela época, sendo tão jovem, por vezes fez-me sentir confusa, pois não entendia determinadas palavras e conceitos. Hoje é algo que faço com prazer.
A Bíblia Sagrada

Ao longo dessa "vida leitora" que tenho e preservo desde os 6 anos aprendi muito sobre mim e sobre as pessoas ao meu redor em diversos aspectos. Por vezes me reconheci em histórias e personagens e de alguma forma eu podia saber que não estava sozinha em determinadas situações, pois havia alguém - mesmo que do outro lado do mundo, que não me conhecia e provavelmente nunca conhecerá rsrs - que escreveu um livro emocionante e levou-me a viajar por dias e dias.

Infelizmente a rotina corrida, a quantidade de boletos que esperam para serem pagos todos os meses rsrs, os diversos compromissos e atividades influenciam para que eu deixe de lado esse hábito tão maravilhoso e edificante. Mas toda vez que a rotina sufocante tenta me desanimar, lembro das pessoas maravilhosas que conheci através dos livros, amizades de longa data e outras que comecei recentemente e que são tão apaixonantes que me levam a relembrar o quanto o universo da leitura é mágico."

MARIANA: 

"Não me lembro com quantos anos aprendi a ler, mas lembro que meu pai me dava muitos livros de presentes e tinha estantes enormes em casa. Eu ficava bastante fascinada com aquele mundaréu de livros e foi a partir daí que comecei a ler um por um. 
Às vezes contava com as sugestões dele, em outra eu só escolhia por título e autor ou só curiosidade mesmo.

Discuti muita literatura com meu pai e só na faculdade de letras fui reparar que nós já fazíamos um exercício de crítica literária nessas conversas.
Não fui formada leitora por ninguém. Não acredito num conceito de formação com relação à leitura, acredito em influência. Fui influenciada por meu pai na leitura dos livros, mas contei também com a influência da minha avó na leitura desse "livrão" que é o mundo. As duas leituras se complementam.
Imagem retirada da internet - The Library

Acredito que os obstáculos dos leitores atuais podemos definir como sendo um só: a falta de atenção. O exercício da atenção para leitura está cada vez mais complicado. Além disso, o fato de as discussões sobre  entretenimento e indústria cultural não serem fomentadas também dificulta o acesso de muitos leitores a uma literatura de qualidade, principalmente no Brasil."


VIRGÍNIA: 

"Minha lembrança mais antiga é da minha mãe lendo no sofá, e eu pensando que aquilo deveria ser muito legal pois ela parece ia esquecer tudo ao seu redor, inclusive de mim. Sempre fui rodeada por leitura, tanto pelo exemplo de minha mãe, quanto das minhas tias que sempre liam pra mim, e até da minha avó que mesmo tendo pouco estudo, incentivava a leitura na minha infância. Para os 4 para 5 anos, eu aprendi a ler as primeiras palavras e nunca mais parei. Mesmo morando em uma Cidade pequena sem livraria ou biblioteca pública, sempre tive acesso a leitura, desde de gibis, passando por livros infantis, enciclopédias e claro ficção. Agradeço minha mãe por ter sido tão incrível neste aspecto.A leitura sempre esteve presente em toda a minha vida, mesmo quando eu não dava a ela a importância necessária. Aprendi quase tudo que sei lendo, de menstruação a consertar vídeo cassete.A leitura me trouxe autonomia para buscar o conhecimento, desenvolver pensamento crítico e não ser um mero receptáculo. Talvez eu era uma das únicas pessoas da escola que gostava de ler os clássicos obrigatórios, era a minha matéria favorita.

Tive a sorte de com o tempo ir construindo minha biblioteca pessoal e de encontrar uma pessoa que divide o mesmo amor que eu pela leitura com quem eu juntei os livros. Os livros me salvaram mais uma vez quando me mostravam que eu estava em uma carreira que não combinava comigo e me fez correr atrás de um sonho antigo: estudar literatura.
Parte da Biblioteca da V. que sonho!

Para mim a literatura representa diversão, estudo, reflexão, conhecimento e uma parte de mim com a qual eu não teria razão de existir."


-
O papel da família na influência de uma criança, e posterior adulto leitor, é fundamental e indiscutível nesse processo. Lembrando que até os 10 anos a criança ainda está formando suas bases de caráter, hábitos, moral e costumes, por isso é indispensável o incentivo e trabalho incansável para trazer esses jovens leitores para dentro do mundo gigantesco e transformador que é a literatura.

Mas e você? Quem te inspirou a ler? Conta pra gente nos comentários! Adoramos histórias!

Um grande beijo e até a próxima

2 comentários:

  1. Que emocionante! Vendo esses depoimentos me fizeram refletir sobre o meu passado também. Eu não lembro exatamente qual foi o meu primeiro livro, eu não tinha muito acesso a livros na infância. Só mesmo a partir dos 9 anos de idade. Mas sei que gostava muito de ler os Gibis da Mônica e a coleção vaga-lume. O meu vício começou só aos 15 anos quando pude ler Harry Potter e Crepúsculo. Daí não parei mais. :)




    https://livrosserieseartemania.blogspot.com.br/?m=1

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai que legal Ellen! Viu só que legal é recordar nossas memórias de leitoras? hehe Sabe que estava exatamente falando disso com uma amiga esses dias: a maioria dos grandes leitores de hoje em dia foi por impulso do Harry Potter e de Crepúsculo. Que interessante!

      Que você possa fazer muitas leituras maravilhosas, ainda! Beijo

      Excluir

por Milene Farias desde 2016. Tecnologia do Blogger.