Resenha #19: The Kiss of Deception - Mary E. Pearson


FICHA TÉCNICA



Autor: Mary E. Pearson
Título: The Kiss of Deception - 1º vol das "Crônicas de Amor e Ódio"
Edição: 1ª ed
Local de Publicação: Editora Darkside Books, 2016.
Selo: Darklove
Nº Páginas: 416
Gênero: Fantasia


Mary E. Pearson é uma premiada escritora californiana de 61 anos que criou "As Crônicas dos Remanescentes" que aqui, publicada pela editora Darkside Books ganhou o nome de "Crônicas e Amor e Ódio". 
Composta por três livros vamos ser apresentados a um mundo totalmente novo, criado por ela para mostrar, sob o ponto de vista no nosso próprio mundo,  as coisas que reverenciamos, que odiamos, a busca pelo poder e os erros que cometemos várias vezes, mas acima de tudo o que o amor e as decepções podem nos tornar.

O mundo de Lia foi construído sob as ruínas de um passado muito distante, as memórias se fundiram com lendas e tradições que soam, por muitas vezes, incompreendidas pelo próprio povo.

Os antigos julgavam-se apenas um degrau abaixo dos deuses, orgulhosos em seu poder sobre o céu e a terra. Eles controlavam a noite e o dia com as pontas dos dedos, voavam pelos ares, e suas vozes retumbavam acima dos cumes das montanhas, ficavam com raiva e o solo tremia...
Sejam bem-vindos à Morrighan! Apertem as rédeas de seus cavalos ravianos porque o destino será Terravin, longe de todas as certezas que Lia não quer para a vida dela. Vamos rumo à uma nova vida, a novas descobertas e quem sabe vamos encontrar o amor.

Pauline deu um beijo no dorso na própria mão, tanto como bênção quanto como proteção contra espíritos que poderiam vagar por ali, e puxou as rédeas para rapidamente deixar as ruínas para trás. Não beijei o dorso de minha  mão nem me apressei a passar logo por ali; pelo contrário, analisei os ossos verdes de uma outra época com curiosidade, como eu sempre fazia, e me pus a imaginar as pessoas que o haviam criado.



SÍNTESE

A força feminina é a estrela desse romance. Morrighan é um reino cheio de tradições e deveres e um deles é o casamento da Primeira Filha de Morrighan, a também princesa Lia, com o príncipe de Dalbreck. Mas ela simplesmente decide fugir bem no dia do seu casamento.

Lia é uma personagem com um carisma, uma força e uma coragem que te encanta! Ela tem apenas 17 anos e junto com a teimosia típica de um adolescente ela tem o desejo de ser livre, longe dos deveres da casa Real, longe de protocolos e principalmente, longe de casamentos com quem ela nem sequer conhece.


Mas o príncipe de Dalbreck não gosta nenhum pouco de ser abandonado em pleno altar,  e em sigilo ele vai atravessar o continente para encontrá-la. Mas essa vai também ser a missão de um assassino vindo do Reino de Venda, uma terra sem lei, que é governada por  bárbaros que por séculos travam batalhas contra os reinos de Dalbreck e Morrighan.

Quem vai encontrá-la primeiro?

Resumindo o livro em poucas palavras: como o amor pode nos enganar? Como nossa sede por liberdade pode resultar em decisões catastróficas?  E como os preconceitos também podem nos ludibriar em relação às pessoas?



Nesse primeiro volume seremos apresentados ao Universo de Fantasia que Mary criou. Vamos conhecendo os personagens, as tradições, as motivações deles e vamos achando que estamos entendendo tudo, que sabemos quem é quem e o que cada um quer, quando de repente a autora traz uma reviravolta na história que nos deixa sem chão ao mesmo tempo em que não conseguimos largar do livro para saber o que vai acontecer a partir daquelas revelações.



CRÍTICA

A princesa Arabelle Celestine Idris Jezelia, ou apenas Lia, foge com sua melhor amiga, Pauline à Terravin, terra natal de sua amiga para que lá ela possa construir uma nova vida. Até aí tudo bem, mas o que ela não contava era que o príncipe não estava disposto a deixar essa situação numa boa. E muito menos que o Reino de Venda a queria morta.

Meu vestido flamulava atrás de mim, agora, casando-me com uma vida de incertezas, mas que me assustava bem menos do que a vida  cheia de certezas que eu tinha encarado. Agora, essa vida era um sonho criado por mim mesma, na qual o único limite era a minha imaginação.

O livro traz o ponto de vista dos próprios personagens, ou seja, estamos na cabeça de cada um deles: Lia, Pauline, o Assassino e o Príncipe  - e notem - até aqui eles não tem nome e quando eles ganham nome "Rafe e Kaden" você não sabe quem o assassino e quem é o príncipe, e isso nos atormenta tanto porque você fica querendo descobrir antes. Eu errei na minha dedução. Puro preconceito. Se talvez eu tivesse lido mais Agatha Christie eu tivesse descoberto quem era o Assassino haha

Mesmo assim, cada vez que minha lâmina deslizava por uma garganta, os olhos alarmados da vítima roubavam uma parte da minha alma.  (O Assassino)

Se eu ficasse aqui muito mais tempo todo mundo descobriria (...) como eu poderia prever que Lia acabaria sendo alguém tão diferente da pessoa que eu esperava que fosse? (O Príncipe)
Ambos, Kaden e Rafe apaixonam-se por Lia e eles se atormentam por isso. Pois um foi para se vingar dela, por tê-lo abandonado e o outro foi para matá-la.

Mas parece que a princesinha mimada e cheia de frufrus que eles imaginavam encontrar não existe, e eles vêem uma mulher decidida a ter uma nova vida, a trabalhar e sobreviver da forma que lhe concede a liberdade. E é exatamente isso que os encanta nela. Sua determinação, seu senso de proteção e sua exímia liderança chamam a atenção.





Tem algumas coisas que precisamos nos situar ao longo do livro:
1ª Tradições: a primeira delas são as tradições e os nomes estranhos que dão significado para elas.

*Primeiras Filhas: ao que tudo indica, quando nasce a primeira filha de um casamento (nasceu 4 meninos e 2 meninas, a primeira é a que vai ser mais importante) essa filha recebe um dom, vinda diretamente de Morrighan a garota que guiou seu povo para esse lugar e os salvou da morte. Não sabemos com certeza quais são esses dons, e vamos descobrindo indícios deles ao longo da história.

* Nomes estranhos
**Kavah, Siarrah... 
Um kavah é uma espécie de tatuagem de casamento que junta os brasões das casas simbolizando a unificação. 
Parecido com as indianas, que os desenhos feitos nas mãos representam transcendência e transformação. 
**Siarrah é o termo que simboliza a Primeira Filha com os dons despertos. Até o momento Lia não apresenta os dons (nas primeiras páginas descobrimos isso) e ela acredita que não é uma Siarrah.

2ª Reinos
Nossa autora magnífica constrói um mapa para que nos situemos entre os reinos:


Perto do Mar de Safran temos o Reino de Morrighan e as cidades que pertencem a ele: Civica, Terravin... Ao sul temos o Reino de Dalbreck. No meio temos o Cam Lanteux que é tudo o que os separa do Reino de Venda no extremo  noroeste.

É um lugar fantástico, não é?
Em Terravin é onde acontece 70% da história.

E então, talvez a coisa mais bela entre tudo isso, circundando a baía, haviam casas e lojas que subiam pelas colinas, cada uma com uma cor diferente: azul-berrante, veremelho-cereja, laranja, lilás, como uma gigantesca tigela de frutas com a baía de Terravin em seu cerne,e por fim, dedos verde-escuros de floresta desciam das colinas para conterem aquela abundancia em sua palma.
O livro é uma fantasia incrível que é muito difícil  alguém não gostar ou da história ou da narrativa. A autora tem uma escrita espetacular! Merece mesmo cada prêmio que ela ganhar. É envolvente, descritivo, tem lições em cada diálogo também e é tudo o que um livro precisa para fazer sucesso e te encantar.

O dilema moral dos personagens te convencem  e te fazem se perguntar qual seria  a melhor decisão a ser tomada.






CONCLUSÃO

Vou me lembrar de todos eles. Nunca me esquecerei.


A dor da perda, a sensação de impotência, de não poder salvar alguém que amamos e principalmente a certeza de que você não possui mais liberdade vão fazer nossa personagem crescer muito! E esse é somente um dos fatores que me fizeram simplesmente admirar a Lia e querer logo pegar o próximo livro para saber o que vai acontecer com a personagem.

É simplesmente tocante o desfecho que esse livro toma, eu diria até que é desesperador, eu se fosse Lia, entrava em choque ou ficava louca. Mas ela se mantém serena e busca na dor a sua força, e nas memórias de quem ama a sua vingança.

Pode-se levar anos para moldar um sonho, mas é preciso apenas uma fração de segundo para despedaçá-lo.

E Lia veio para nos mostrar que as mulheres não são coadjuvantes. Elas também são heroínas do mundo!

Se eu recomendo?

Até o Chuck Norris recomenda esse livro!

 tv chuck norris chuck norris approved chuck norris thumbs up GIF

Como que você faz para adquirir ele? Aqui ó The Kiss of Deception - Mary E Pearson (Amazon)

Se você gostou dessa resenha não deixe de postar um comentário, se leu esse livro e se encantou, assim como eu, também deixe aqui seu amor.

Um beijo e até a próxima!

5 comentários:

  1. Oi Mi,
    Você está postando resenhas dos livros que amo! Muito bom isso!!! Rsrsrsrs... Amo essa troca com cada célula do meu corpo!!! Prepare - se porque "The Heart of Betrayal" é bem melhor que KoD! Lia me surpreende a cada página! É impossível não se apaixonar por ela! Que garota! 😍
    Estou lendo o terceiro e ele já começa num ritmo frenético! Vou vai surtar muito ainda com cenas inacreditáveis!!! Linda resenha, beijos...

    www.blogleituravirtual.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E eu estou amando postar resenhas sobre essas leituras também! haha Viu só! Que bom, temos bom gosto pra leitura ;)
      Eu estou muito ansiosa para ler o terceiro livro e ao mesmo tempo não queria terminar eles nunca! :'(

      Obrigada Gustavo! Fico feliz que você gostou.
      Beijos!

      Excluir
  2. *amo essa trilogia com cada célula do meu corpo!

    ResponderExcluir
  3. Oiii Mi, eu amoo esse livro, Amo como a Lia teve coragem de decidir o seu destino, mesmo sendo difícil ela nunca desistiu e admiro muita a sua foça e determinação, eu ainda não li o terceiro e estou muito ansiosa.

    Amei a resenha um beijo da Jhenny

    https://sussurrandosonhos.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai, Jhenny, é muita emoção! \o/ Nossa heroína está se tornando cada dia mais admirável! Eu estou encantada com a personalidade que a autora conseguiu trazer para ela.

      Não quero terminar a trilogia e ao mesmo tempo preciso saber o que vai acontecer! haha

      Beijos!

      Excluir

por Milene Farias desde 2016. Tecnologia do Blogger.