RESENHA #36: Amon - Meu Avô Teria Me Executado

FICHA TÉCNICA

TITULO: Amon - Meu Avô Teria Me Executado

AUTORA: Jennifer Teege e colaboração de Nikola Sellmair 

EDITORA: AGIR.
ANO: 2014
PÁGINAS: 256






SINOPSE



Milhões de pessoas conheceram a história do comandante Amon Göth pelo premiado filme "A Lista de Schindler", de Steven Spielberg, lançado em 1993. Como esquecer da chocante cena do comandante atirando em prisioneiros de forma aleatória, da sacada de sua residência? Com a ajuda do jornalista Nikola Sellmair, Jennifer começa uma profunda e dolorosa pesquisa sobre a história da sua família biológica. Passo a passo, a partir da chocante história da sua família, começa uma história de libertação.

“Aos 38 anos de idade, a publicitária alemã Jennifer Teege fez uma descoberta que a deixou chocada: seu avô, que ela não chegou a conhecer, era o infame comandante Amon Göth, do campo de concentração de Plaszow, na Polônia, cujo sadismo se destacou até mesmo em meio à barbárie nazista. ” - Folha de S. Paulo

http://livraria.folha.com.br/livros/biografias-e-memorias/amon-avo-teria-executado-jennifer-teege-1246553.html









RESENHA:

As guerras costumam ser assuntos populares na sociedade, conflitos civis, ditaduras e mortes são algumas das características desses confrontos que tanto afligem as nações em todo o mundo. Leio sobre Guerras desde os 11 anos, o primeiro livro que li sobre esse assunto foi O Diário de Zlata, em que a própria autora relata sobre os momentos difíceis que passou durante a guerra da Bósnia - tem uma resenha desse livro no link: http://www.estantedami.com/2017/08/resenha-20-diario-de-zlata-vida-de-uma.html – e desde então sempre que posso tento pesquisar, assistir documentários, filmes e livros a respeito dessas batalhas e enfrentamentos com a finalidade de compreender melhor a sociedade, o ser humano e principalmente a mim mesma.

O livro, de Jennifer Teege, Amon - Meu Avô Teria Me Executado, me chamou atenção primeiramente pelo título e também pela seguinte descrição que lá consta: A História da Alemã Negra que Descobriu Ser Neta do Carrasco de Hitler Imortalizado no Filme "A Lista de Schindler". Decidi ler e comprar o livro por causa o nome de Hitler na capa, no entanto ao iniciar a leitura percebo que Amon, comandante do campo de concentração nazista, era de quem realmente se tratavam os textos de Jennifer.

Teege fora adotada ainda quando criança, mas chegou a conhecer a sua mãe e avó biológicas com as quais perdera o contato completamente após a adoção. Jennifer é mãe, esposa, funcionária, filha, irmã. Ela levava uma rotina atarefada como toda mulher moderna até que um dia em uma biblioteca encontrou um livro que a levou a conhecer a verdadeira história de sua família biológica. Naquele momento Jennifer sentiu a necessidade de parar o caminho e voltar ao início de tudo, a raiz da história, a sua infância conturbada e aos seus antepassados.

Viagens, conversas, terapias não foram o suficiente para preparar Jennifer para o que ele veria e sentiria sobre as histórias de sua família. Amon, seu avô, a pessoa que devia protege-la foi considerado culpado pela morte de milhares de judeus, sua avó sabia dos atos terríveis que ele cometia e era complacente, valorizava a vida de luxo e ostentação mesmo sabendo que ao lado morriam pessoas inocentes e sua mãe traumatizada não a amava o suficiente para se responsabilizar por sua criação.  

Jennifer não esteve na guerra fisicamente, no entanto seu psicológico e emocional enfrentavam grandes combates para tentar compreender esse passado doloroso que o seu avô ajudou a construir e a vergonha por ter que contar aos amigos judeus sua história recém descoberta. Mas se Jennifer não esteve na guerra por que tanto sofrimento? Porque sofrer por um parente que ela sequer conheceu? Por que mesmo depois de ter sido adotada por uma família maravilhosa que a recebeu com tanta hospitalidade, ela ainda sofria sozinha? São perguntas que me fiz e que entendi que Jennifer sofreu com os atos do avô, sofreu por saber que o legado da família biológica vinha regado de sangue inocente, sofreu por ter descoberto tudo isso tão tarde e sofreu por acreditar em uma imagem que ela criara da família e que nada tinha se parecia com a realidade chocante.

Essa obra nos proporciona uma leitura emocionante e nos leva a refletir sobre muitas questões acerca da guerra, mas principalmente sobre a durabilidade dos confrontos, muitas pessoas que sobrevivem a essas lutas ainda travam grandes batalhas dentro de si.


Jennifer Teege


Espero que curta essa resenha e ajude a divulgar o trabalho tão especial desse blog! Siga  o blog @estantedami no intagram e no facebook.



Siga-me também nas redes sociais:
Instagram: @natalha_neves
Facebook: Natalha Neves
E-mail para contato: natalha.neves@gmail.com


Fotografia de +Gabrielle Timbó 



Nenhum comentário:

por Milene Farias desde 2016. Tecnologia do Blogger.