Resenha #45: Suburbicon: Bem-vindos ao Paraíso


  Fui ao cinema assistir um filme aleatório e o mais próximo do horário que comprei o ingresso foi esse. Ao terminar de assistir tive uma surpresa maravilhosa, porque eu identifiquei uma crítica sutil e importante nele. Vamos a sinopse e então falarei sobre o filme e o que identifiquei como critica. 

Sinopse: O mistério de um crime envolvendo uma família durante a década de 50, onde o melhor e o pior da humanidade é refletido através dos atos de pessoas aparentemente comuns. Quando uma invasão de domicilio se torna mortal, uma família de imagem perfeita se submete à chantagem, vingança e traição.




  O filme começa apresentando uma cidade perfeita onde todos os cidadãos vivem em harmonia e tranquilidade até que uma família de negros vai morar nesse bairro e a maioria dos antigos moradores vão se queixar do fato apresentando um racismo muito forte. Eles alegam que agora irão acontecer coisas ruins no bairro e que as pessoas dessa família que se mudaram não prestam.

  Enquanto está ocorrendo todo o estresse para retirar a família nova do bairro, os vizinhos dessa família estão vivendo uma série de problemas que ninguém imagina.

  OBS: gostaria de poder falar mais do filme sem soltar spoilers, mas não posso.

  A crítica que identifiquei foi que as pessoas estavam tão focadas em expulsar os negros, que ignoraram as outras pessoas extremamente problemáticas e perigosas que viviam ao redor deles, pelo simples fato de serem brancas.

  Também achei interessante que o filme mostrou que a única pessoa que já vivia no bairro e não era racista foi uma criança. Tendo como base a teoria (que na minha opinião é verdade) que ninguém nasce preconceituoso e que na realidade o preconceito é enraizado na pessoa ao longo da vida.



Nota do filme: 4,5/5 



  Espero que assistam o filme e voltem para me contar o que acharam dele. Até a próxima <3

  Me encontre no Skoob e no Instagram



-Clara Liz B. Moreira

Nenhum comentário:

por Milene Farias desde 2016. Tecnologia do Blogger.