8 livros clássicos para ler em 2018

O que é um livro clássico?
Você já se fez essa pergunta antes?
Fui pesquisar e a melhor definição que encontrei foi essa: "um livro é clássico quando ele representa o período em que foi escrito e que atravessa gerações sem perder seu valor. Por isso, dificilmente um livro recém-publicado é categorizado como uma leitura clássica."


Esses livros tem um apelo universal. No caso, pessoas de qualquer parte do mundo poderiam lê-lo e compreendê-lo, pois na história tratam de temas como amor, ódio, morte e etc. 
E além desses livros terem um grande poder de influência na vida dos leitores, outros autores também são influenciados, e nas suas obras trazem as inspirações e ideias que encontraram nesses clássicos. A exemplo temos a Margaret Atwood que em "O Conto da Aia" se inspirou em "1984" de George Orwell ou os atuais "romances de época" que se inspiram nos livros de romance escritos no século XIX por escritoras como Jane Austen e as irmãs Brontë.
  
1. Cem Anos de Solidão - Gabriel Garcia Marquez
É o livro mais importante da obra de Gabriel García Márquez, vencedor do prêmio Nobel de literatura em 1982. O autor narra a incrível história da família Buendía, uma estirpe de solitários que habitam a mítica aldeia de Macondo. A narrativa desenvolve-se em torno de todos os membros dessa família, com a particularidade de que todas as gerações foram acompanhadas por Úrsula, uma personagem centenária e uma matriarca das mais conhecidas da história da literatura latino-americana. 

2. Dom Casmurro - Machado de Assis

'Poucos romances examinam com tanta sutileza as artimanhas do ciúme como Dom Casmurro. Publicado em 1899, o livro permanece ainda hoje como um dos mais fascinantes estudos da traição. Aliás, como o leitor mais atento perceberá, são supostamente duas: a de Capitu, exposta pelo marido Bentinho, e a própria narrativa sobre como Bentinho modifica os fatos para corroborar suas suspeitas matrimoniais.
Tudo isso é narrado com graça e inteligência num romance que jamais parece esgotar suas possibilidades de leitura. Críticos como Roberto Schwarz e Susan Sontag consideram a obra de Machado como um dos momentos mais altos da prosa ocidental do final do século XIX.' 

3. Emma - Jane Austen
Emma' Woodhouse é uma mulher linda, intelectual e de espírito elevado. Sua mãe faleceu quando ela ainda era muito jovem e esta assumiu o papel da administradora da casa, já que sua irmã mais velha havia se casado. De certa forma, ela é muito madura, apesar de cometer sérios erros: mesmo jurando que nunca se casaria, encontra diversão em arrumar casamentos para outros; aparentemente incapaz de se apaixonar, é através do ciúme que ela descobre seu amor por Mr. Knightley 

4. Lolita - Vladimir Nabokov
Lolita é um dos mais importantes romances do século XX. Polêmico, irônico, tocante, narra o amor obsessivo de Humbert, um cínico intelectual de meia-idade, por Dolores Haze, Lolita, 12 anos, uma ninfeta que inflama suas loucuras e seus desejos mais agudos. O livro inicialmente não foi bem-recebido. No início de 1956, sua sorte mudou. Graham Greene havia colocado Lolita entre os melhores livros de 1955 numa edição do Sunday Times. A repercussão cresceu; em agosto de 1958, foi finalmente publicado nos EUA. Em setembro, alcançou o primeiro lugar na lista de mais vendidos. O sucesso faria com que Nabokov deixasse de dar aulas para viver apenas de sua literatura.


5. O Retrato de Dorian Grey - Oscar Wilde
Em 1891, quando foi publicado em sua versão final, “O retrato de Dorian Gray” foi recebido com escândalo, e provocou um intenso debate sobre o papel da arte em relação à moralidade. Alguns anos mais tarde, o livro foi inclusive usado contra o próprio autor em processos judiciais, como evidência de que ele possuía “uma certa tendência” — no caso, a homossexualidade, motivo pelo qual acabou condenado a dois anos de prisão por atentado ao pudor. Mais de cem anos depois, porém, o único romance de Oscar Wilde continua sendo lido e debatido no mundo inteiro, e por questões que vão muito além do moralismo do fim do período vitoriano na Inglaterra, definida por um dos personagens do livro como “a terra natal da hipocrisia”. 
Seu tema central — um personagem que leva uma vida dupla, mantendo uma aparência de virtude enquanto se entrega ao hedonismo mais extremado — tem apelo atemporal e universal, e sua trama se vale de alguns dos traços que notabilizaram a melhor literatura de sua época, como a presença de elementos fantásticos e de grandes reflexões filosóficas, além do senso de humor sagaz e do sarcasmo implacável característicos de Wilde. 

6. Madame Bovary - Gustave Flaubert
Texto de suma importância, Madame Bovary é uma leitura essencial. O enredo gira em torno de Emma Bovary, casada com o médico Charles. Emma vive imersa na leitura de romances românticos e, por viver um casamento enfadonho, procura no adultério a libertação de seus problemas. A trama possui um desfecho trágico, e da criação de Flaubert partem grandes linhas de força do romance moderno e sua repercussão no contexto literário francês e mundial é intensa e permanente.

7. O sol é para todos - Harper Lee
Um livro emblemático sobre racismo e injustiça: a história de um advogado que defende um homem negro acusado de estuprar uma mulher branca nos Estados Unidos dos anos 1930 e enfrenta represálias da comunidade racista. O livro é narrado pela sensível Scout, filha do advogado. Uma história atemporal sobre tolerância, perda da inocência e conceito de justiça. 'O Sol é Para Todos', com seu texto “forte, melodramático, sutil, cômico” (The New Yorker) se tornou um clássico para todas as idades e gerações. 


 8. Os Miseráveis - Vitor Hugo

A riqueza imagística e formal de sua lírica fez de Victor Hugo o maior poeta francês, e um dos seus mais importantes prosadores.Hugo produziu várias obras-primas, em verso e prosa. Seu monumental romance épico Os Miseráveis, publicado ainda quando estava no exílio, em 1862, foi um dos maiores acontecimentos literários da época, e continua a encantar leitores de todo o mundo.
Romance social marcado por uma vasta análise de costumes da França do século XIX, Os Miseráveis revela uma grande complexidade tanto sob o ponto de vista da escrita como da própria trama ficcional, misturando realismo e romantismo.A obra é uma poderosa denúncia a todos os tipos de injustiça humana. Narra a emocionante história de Jean Valjean — o homem que, por ter roubado um pão, é condenado a dezenove anos de prisão, até a sua morte iluminada pelo sofrimento. Os Miseráveis é um livro inquietantemente religioso e político.
...
Essas são minhas dicas de clássicos que na verdade serão lidos por mim esse ano, escolhi estilos diferentes e continuarei lendo pelo menos 1 livro por ano da Jane Austen. Ano passado consegui ler alguns clássicos de ficção científica e duas obras da Jane Austen e isso me deixou bem feliz por conhecer obras tão maravilhosas.

Ao longo de 2018 vocês encontrarão resenhas e diário de leitura desses clássicos por aqui. 

Vocês gostaram das dicas?
Já leram alguns desses livros?

Um beijo e até a próxima postagem!

2 comentários:

  1. Adorei as dicas alguns já li e outros estão na minha lista

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que gostou Thayla. Vou avisar bem antes quando for ler cada um deles, aí se você quiser podemos ler juntas os que tem na sua lista de desejados ;)
      Beijos!

      Excluir

por Milene Farias desde 2016. Tecnologia do Blogger.