[Conhecendo melhor a FC]: Distopias e o seu papel na sociedade.

As Distopias surgiram justamente para contrapor a ideia de Utopia.

Montagem feita no Canva: La Distopia del Reino de España, City Inspicere Blog.

Para Thomas Morus, que publicou "Utopia" em 1516, ela significava um lugar onde a sociedade funcionava perfeitamente, mas o próprio nome "utopia" que vem do grego, significa "um não lugar" ou, em outras palavras, "um lugar nenhum". 
Já a primeira vez que a palavra "distopia" foi usada, foi em 1868 no Parlamento Britânico e veio num contexto de ser algo ruim.

Assim, "utopia" significa um lugar que não existe e "distopia"  significa um lugar ruim.


O QUE HÁ DE COMUM NUMA SOCIEDADE DISTÓPICA?

As distopias são a parte mais "real" dentro do gênero da ficção científica. E são os processos de transformação e o comportamento de uma sociedade que são as fontes de inspiração para os autores. E a visão que eles têm do futuro não é nada agradável, então nas distopias é comum explorar alguns dos seguintes traços:

  1. Oferecem uma crítica social e uma visão política do próprio autor;
  2. Exploram a estupidez humana;
  3. O poder é mantido por uma elite que é autoritária e tem esse poder justamente em detrimento da minoria que é explorada e tem seus direitos subjugados;
  4. Violência banalizada e generalizada;
  5. Discurso pessimista, onde não há muito espaço para a esperança.
  6. Conteúdo com dilemas morais muito forte e como isso nos afetará no futuro.
  7. Perca da própria essência humana.


A ORIGEM DAS DISTOPIAS

Como falei anteriormente, as distopias retratam coisas da nossa própria realidade, por isso, basta analisar a nossa história para saber de onde eles tiraram suas inspirações.

Desde Thomas Morus as coisas não melhoram muito, não.

No século XVII (1601 em diante) iniciou-se movimentos que já começavam a criticar a realidade como a Revolução Científica que dava pequenos passos no avanço da ciência e o homem já começava a questionar o seu papel no mundo.

Chegando ao século XVIII conhecemos os Iluministas e o mundo viu então, a Revolução Francesa onde ideais como Liberdade, Igualdade e Fraternidade começaram a ecoar pelo mundo. E foi exatamente nesse século iniciou-se a Idade Moderna.

Pintura famosa da Revolução Francesa  "La Liberté guidant le peuple" (1830), de Eugene Delacroix"

E foi do século XIX em diante que as coisas tomaram um rumo assustador. 

Aqui, de 1801 pra frente, o mundo sofreu um avanço tecnológico e científico muito notável. Grandes Impérios cairam e outros surgiram. Criou-se a máquina a vapor, as indústrias e teve o abandono do campo. 
Guerras e instabilidade política ao redor do mundo também marcaram esse século, que nos levou para os anos de 1901, iniciando o século XX, conhecido como o Século dos Grandes Massacres, devido aos inúmeros e gigantescos conflitos mundiais, como a Primeira e Segunda Guerra Mundial, Revolução Russa e Revolução Chinesa, por exemplo.

Bomba Atômica- Revista O Galileu

Os avanços notados na tecnologia e na ciência  não servia para a evolução humana e sim para mostrar quem detinha um poder maior de combate.
Aqui desenvolveu-se inúmeros armamentos bélicos, a internet, computadores, celulares, jatos e a bomba atômica.
Nós vimos Hitler, Mussolini e ideais deturpados surgirem.
Nunca antes o caos dominou tanto o mundo.


Cena retirada do filme "1984"
E foi justamente no século XX que surgiram os grandes nomes da distopia como George Orwell, Margaret Atwood, Aldous Huxley, Ray Bradbury, Zamiatini, Asimov, Anthony Burgess, Wiliam Gibson e cia.

Todos falavam de um futuro ruim, controlado por máquinas ou pelo governo, o poder de escolha e da liberdade já não existia mais. E a esperança, essa sim era uma verdadeira utopia.

As críticas políticos-sociais contidas em todas essas obras nos fazem pensar, analisar e refletir a nossa própria realidade, e justamente hoje no ano de 2018 elas nunca fizeram tanto sentido. Causando medo e insegurança nos leitores desses livros que conseguem enxergar fortes traços de uma distopia já sendo vivida.

Uma distopia, por tanto, tem a intenção de trazer uma lição com a história. E trazem também, denúncias de regimes ditatoriais, autocráticos e tirânicos. No geral ela mostra que querer moldar a civilização é trazer sérias consequências para nossa própria existência.

E aí, qual é a sua distopia favorita? Qual mais se assemelha com a nossa atual situação?

Espero que tenham gostado do artigo! 
Um grande abraço e até a próxima!


2 comentários:

  1. Nem sei mais como te parabenizar por esse trabalho incrível Mi! Parabéns, parabéns!!! Eu temo muito que um regime distopico seja inevitável daqui a algumas décadas! O futuro tende a ser tenebroso infelizmente... Beijos...

    www blogleituravirtual.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Gustavo! Infelizmente estamos nos encaminhando pra isso.

      Direitos sendo retirados, a internet que tanto nos proporciona conhecimento e troca de informações sendo usada como arma.... vivemos numa mescla de 1984 onde o Grande Irmão está sempre de olho nos vigiando (Internet), com Fahrenheit 451 onde os livros são ameaça pro governo e muito de Laranja Mecânica onde tudo é banal: a violência, as relações humanas... espero que nunca cheguemos no nível O Conto da Aia ou V de Vingança. Mas.... o futuro dá medo, mesmo.

      Obrigada pela colaboração e apoio de sempre!
      Beijo!

      Excluir

por Milene Farias desde 2016. Tecnologia do Blogger.